A janela que nos rodeia Windows da Vida

 A janela que nos rodeia Windows da Vida
A janela que nos rodeia Windows da Vida

A janela que nos rodeia Windows da Vida – Sempre gostei de analisar fazendo analogia com a sistemática Windows. Convido fazermos uma leitura da vida utilizando esta sistemática, montando para cada idade uma interface, uma janela, como no sistema da Microsoft.

Quando recém nascidos, temos uma janela com tons não precisos, com muita fantasia e projeção de todas nossas carências. Temos uma visão toda parcial, até mesmo por imaturidade do nosso corpo.

Vamos em frente e mudamos de janela. Ao olhar o mundo como adolescentes, nos encontramos mentirosamente distante da criança que fomos, mais longe ainda dos nossos coroas, nossos “Velhos”.

A janela que nos rodeia Windows da Vida

Neste momento, o vidro da janela pelo qual percebemos o mundo, é cheio de escotomas, “pontos cegos”, que somente permitem uma visão de mundo negando tudo que for possível.

Perigo não acontece, não existe. Podemos beber todas, executar toda roleta russa existencial possível. A morte esta tão distante que não parece possível.

Baita janela, mas de vidro delicado. A idade vai seguindo seu curso, inexorável. Logo somos defenestrados deste período para nos acomodarmos numa fase de início do mundo adulto. Abrimos uma página e acessamos conteúdos das fases anteriores, com rompantes de maturidade navegando num mar ainda com critérios de navegação da juventude.

Não tomamos remédios para coisa alguma. A ressaca ainda dura uma manhã. Ainda fazemos mais planos do que conseguimos executar. É possível separação sem grandes estragos, ter outros relacionamentos e filhos pelo caminho.

Podemos utilizar um guarda roupa recém inventado por qualquer tribo.

Tudo cai bem, e na média atual (que anda com mais sobrepeso que noutros tempos), quase todo M serve. Consequência natural e evoluímos para uma nova janela, que poderíamos chamar de final de juventude, lá pelos trinta.

Encontramos um mosaico de janelas, com variantes que vão do nada me acontece ao ainda “temos tempo”. Vou melhorar a alimentação. Vou malhar com insistência.

Vou conhecer lugares incríveis, pessoas incríveis.

Passa o tempo, passam as janelas, e sorrateiramente somos jogados num local que só é possível “entrarmos no verdadeiro” Windows da vida. É possível mas não recomendável nos fantasiarmos de adolescentes.

Podemos ainda fazer planos, mas devemos estar executando mais do que planejando. Já estaremos tomando algum remédio, de preferência resultado de avaliações médicas de “revisão” do corpo que vivemos.

Estaremos bem melhor se no passado tivemos um comportamento ecológico conosco mesmos, tendo adotado uma política sustentável de boa alimentação, com exageros permitidos somente no filtro solar e na aquisição e cuidado de grandes amizades.

O melhor mesmo é deixar as janelas abertas.

Autor: Dr Paulo Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.